Notícias

Chefe da OMS se diz “confiante” no acordo pandêmico, apesar do prazo não ter sido cumprido

O chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, abriu a assembleia na segunda-feira.

Genebra, Suíça:

O chefe da Organização Mundial da Saúde instou na segunda-feira os países a firmarem um acordo global histórico sobre o tratamento de futuras pandemias, depois de terem perdido um prazo difícil.

Assustadas pela Covid-19 – que matou milhões de pessoas, destruiu economias e paralisou os sistemas de saúde – as nações passaram dois anos a tentar estabelecer compromissos vinculativos em matéria de prevenção, preparação e resposta a pandemias.

Os negociadores não conseguiram chegar a um acordo antes da Assembleia Mundial da Saúde desta semana – a reunião anual dos 194 estados membros da OMS – o prazo final para a conclusão das conversações.

O chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, abriu a assembleia na segunda-feira, dizendo estar confiante de que um acordo seria garantido.

“É claro que todos desejamos ter conseguido chegar a um consenso sobre o acordo a tempo para esta assembleia de saúde e cruzar a linha de chegada”, disse ele.

“Mas continuo confiante de que você ainda o fará, porque onde há vontade, há um caminho.”

Tedros disse que a tarefa perante os negociadores foi “imensa, técnica, jurídica e política” e que eles estavam “operando em um cronograma muito ambicioso”.

“Vocês demonstraram um compromisso claro em chegar a um acordo”, disse ele, acrescentando que os negociadores “trabalharam longos dias e noites”, encerrando as reuniões até às 04h00.

Ele saudou a sua dedicação em avançar apesar de “uma torrente de desinformação que estava a minar as suas negociações”.

Embora não tenham cumprido o prazo de sexta-feira, os países manifestaram o compromisso de continuar a pressionar por um acordo.

Os negociadores deverão apresentar na terça-feira o resultado das negociações à assembleia, que decorre até 1 de junho, e a assembleia fará um balanço e decidirá o que fazer a seguir.

“Eu sei que ainda existe entre vocês uma vontade comum de fazer isso, então sempre deve haver um caminho”, disse Tedros.

“Ou seja, a solução está nas suas mãos”, frisou.

Também tiveram lugar conversações paralelas sobre a revisão do Regulamento Sanitário Internacional, que foi adoptado pela primeira vez em 1969 e constitui o quadro internacional juridicamente vinculativo existente para responder às emergências de saúde pública em todo o mundo.

As alterações propostas ao RSI, incluindo a adição de mais nuances a um sistema destinado a alertar os países para potenciais emergências sanitárias de preocupação global, poderão ter mais hipóteses de serem adoptadas durante a assembleia desta semana, disseram os observadores.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button