Notícias

Ataques aéreos israelenses matam 24 em Gaza enquanto tanques aprofundam a incursão em Rafah

O Ministério da Saúde de Gaza disse que os hospitais e centros médicos enfrentam escassez de medicamentos.

Cairo:

As forças israelenses mataram pelo menos 24 palestinos em três ataques aéreos separados na cidade de Gaza na manhã de terça-feira, disseram autoridades de saúde, enquanto os tanques aprofundavam sua incursão na cidade de Rafah, no sul do enclave.

Dois dos ataques atingiram duas escolas na Cidade de Gaza, matando pelo menos 14 pessoas, disseram os médicos. Outro ataque a uma casa no campo de Shati (Praia), um dos oito campos históricos de refugiados da Faixa de Gaza, matou outras 10 pessoas.

A casa em Shati pertencia à família do chefe político do Hamas, Ismail Haniyeh, que mora no Catar, matando uma de suas irmãs e outros parentes, disseram familiares e médicos.

Haniyeh, que lidera a diplomacia do Hamas e é a face pública do grupo que governa Gaza, perdeu muitos dos seus familiares em ataques aéreos israelitas desde 7 de Outubro, incluindo três dos seus filhos.

Os militares de Israel disseram que as suas forças tinham como alvo durante a noite militantes na Cidade de Gaza que estiveram envolvidos no planeamento de ataques a Israel. Os agentes incluíam alguns envolvidos na manutenção de reféns e alguns que participaram no ataque transfronteiriço do Hamas em 7 de outubro.

A Força Aérea Israelense atacou duas estruturas “usadas por terroristas do Hamas em Shati e Daraj Tuffah, no norte da Faixa de Gaza. Os terroristas operaram dentro de complexos escolares que foram usados ​​pelo Hamas como escudo para suas atividades terroristas”, disse o comunicado militar.

O Hamas nega utilizar instalações civis, como escolas e hospitais, para fins militares.

Após mais de oito meses de combate, a mediação internacional apoiada pelos Estados Unidos não conseguiu até agora chegar a um acordo de cessar-fogo. O Hamas afirma que qualquer acordo deve pôr fim à guerra, enquanto Israel afirma que concordará apenas com pausas temporárias nos combates até que o Hamas seja erradicado.

ESCASSEZ DE MEDICAMENTOS

A campanha terrestre e aérea de Israel em Gaza foi desencadeada quando agentes liderados pelo Hamas invadiram o sul de Israel em 7 de outubro, matando cerca de 1.200 pessoas e fazendo mais de 250 reféns, segundo registros israelenses.

A ofensiva israelita em retaliação matou quase 37.600 pessoas, segundo as autoridades de saúde palestinianas, e deixou a pequena e densamente povoada Faixa de Gaza em ruínas.

O Ministério da Saúde de Gaza disse na terça-feira que os hospitais e centros médicos no enclave estavam enfrentando uma grave escassez de medicamentos e suprimentos médicos devido à contínua ofensiva israelense, ao controle e fechamento de todas as passagens por Israel e aos ataques ao setor de saúde em Gaza.

Os medicamentos necessários para emergências, anestesia, cuidados intensivos e operações são particularmente escassos, disse o ministério num comunicado, enquanto os pacientes com cancro não puderam viajar para os hospitais.

Desde o início de Maio, os combates centraram-se em Rafah, no extremo sul de Gaza, junto à fronteira com o Egipto, onde cerca de metade dos 2,3 milhões de pessoas do enclave se abrigaram depois de fugirem de outras áreas.

Moradores disseram que combates violentos ocorreram durante a noite nas áreas ocidentais de Rafah, onde os tanques ampliaram a sua incursão nos últimos dias, explodindo várias casas na área.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button