Notícias

“Cidade fantasma”: Brasil inunda um alerta climático para o mundo, afirma ONU

Um funcionário da ONU visitou um bairro inundado na capital do estado, Porto Alegre, no fim de semana.

Brasília:

Inundações recordes que mataram mais de 170 pessoas e deslocaram meio milhão no sul do Brasil são um sinal de alerta de que mais desastres ocorrerão nas Américas por causa das mudanças climáticas, disse um funcionário da agência de refugiados das Nações Unidas na terça-feira.

Aproximadamente 389 mil pessoas no estado do Rio Grande do Sul continuam deslocadas de suas casas por causa das chuvas intensas e das enchentes, que as autoridades locais dizem ter sido o pior desastre da história da região. Os cientistas dizem que as alterações climáticas aumentaram a probabilidade de ocorrência de inundações.

Andrew Harper, conselheiro especial para ação climática da agência para refugiados ACNUR, visitou um bairro inundado na capital do estado, Porto Alegre, no fim de semana e chamou-o de “uma cidade fantasma”.

“Ficou submerso por quase 40 dias. Não havia nem ratos correndo por aí. Tudo havia morrido”, disse Harper em entrevista na terça-feira.

Mesmo depois que as águas das enchentes diminuíram, os moradores não retornaram ao bairro onde as ruas estão repletas de lixo e entulhos encharcados. Muitos ainda vivem em abrigos, incluindo refugiados venezuelanos que foram reassentados em Porto Alegre.

O ACNUR está ajudando o governo local a construir habitações temporárias.

Os residentes de algumas áreas duramente atingidas poderão nunca mais regressar, tendo sido forçados a deslocar-se devido às repetidas inundações, disse Harper. Mas quantos se tornariam os chamados migrantes climáticos só será conhecido anos após o desastre.

As inundações superaram todas as expectativas que as autoridades locais tinham em relação aos desastres climáticos e os governos precisam de fazer mais para se prepararem para estes eventos, disse Harper.

“Estamos vendo o surgimento no Brasil do que podemos estar vendo nas Américas. Então, para ignorar isso, eles fazem isso por sua própria conta e risco”, disse Harper.

Os governos precisam entender onde vivem as pessoas mais vulneráveis ​​às mudanças climáticas, como o bairro que ele visitou em Porto Alegre, e incluir essas pessoas em seus planos climáticos, disse ele.

“É um sinal de alerta, mas temos visto sinais de alerta há cinco, dez anos”, acrescentou Harper. “Em que ponto você basicamente tem que dar um tapa na cara de alguém e dizer: ‘Acorde, você não vai ignorar isso’”.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button