Notícias

Cirurgião-geral dos EUA declara violência armada uma crise de saúde pública

O cirurgião-geral diz que a violência armada generalizada causou “dor inimaginável” às vítimas em todo o país.

O cirurgião-geral dos EUA, Vivek Murthy, declarou a violência armada uma crise de saúde pública nos Estados Unidos.

Num comunicado emitido na terça-feira, Murthy apelou a leis mais rigorosas para limitar a disponibilidade generalizada de armas de fogo, que muitos culpam pelos níveis incomparáveis ​​de violência armada no país.

“A violência armada é uma crise urgente de saúde pública que levou à perda de vidas, a dores inimagináveis ​​e a um pesar profundo para muitos americanos”, disse Murthy num comunicado.

Embora os tiroteios em massa de alto nível atraiam uma grande parte da atenção, a violência armada diária é uma ameaça persistente que levou a uma tendência sombria de aumento de ferimentos e mortes por armas de fogo. Murthy observou na terça-feira que os jovens e as comunidades negras são especialmente afetados.

Não é claro que mudanças, se houver, a declaração poderá trazer, com os esforços para decretar o controlo de armas paralisados ​​a nível federal, onde muitos políticos conservadores se opõem resolutamente a quaisquer esforços para impor maiores limitações ao acesso a armas de fogo.

Muitos estados liderados pelos republicanos tomaram medidas para reduzir ainda mais as restrições existentes. A National Rifle Association (NRA), um poderoso grupo político que tem lutado para afrouxar ainda mais os limites ao acesso a armas de fogo, classificou o comunicado como uma “extensão da guerra do governo Biden contra os proprietários de armas que cumprem a lei”.

Murthy disse que o impacto da violência armada se estende além das cerca de 50.000 pessoas mortas nos EUA por ano, com efeitos persistentes para aqueles que testemunham ou sobrevivem a tiroteios ou lidam com ferimentos ou com a perda de entes queridos.

“A América deveria ser um lugar onde todos nós podemos ir à escola, ao trabalho, ao supermercado, ao nosso local de culto, sem ter que nos preocupar se isso colocará nossas vidas em risco”, disse ele à Associated Press, apelando a medidas como maiores verificações de antecedentes, a restrição de armas em espaços públicos e a proibição de espingardas automáticas de alta potência.

O relatório observa que a violência armada se tornou a principal causa de morte entre crianças e jovens dos EUA em 2020, e que as mortes relacionadas com armas de fogo, que incluem homicídios e mortes acidentais, bem como suicídios, aumentaram.

Tais taxas de violência armada tornam os EUA uma aberração entre países comparativamente ricos: o comunicado observa que a taxa de mortalidade por armas de fogo do país para os jovens é 11 vezes maior que a da França, 36 vezes maior que a da Alemanha e 121 vezes maior que a do Japão, onde o acesso a armas é altamente regulamentado.



Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button