Notícias

O que Julian Assange fez? Despejos de documentos mais significativos do WikiLeaks

Fundador do WikiLeaks Jullian Assange deverá se declarar culpado à violação da Lei de Espionagem quando compareceu a um tribunal dos EUA nas Ilhas Marianas do Norte, antes de ser enviado de volta ao seu país natal, a Austrália.

Assange estava preso no Reino Unido desde 2019 e, antes disso, viveu sete anos na Embaixada do Equador em Londres, onde procurou asilo político.

O que Julian Assange fez?

Julian Assange fundou a WikiLeaks site, que publicou milhares de documentos confidenciais vazados de fontes incluindo o governo dos EUA, grandes corporações e e-mails pessoais.

Um grande júri federal na Virgínia indiciou Assange em 2019 em mais de uma dúzia de acusações alegando que ele obteve ilegalmente informações confidenciais sobre as guerras dos EUA no Afeganistão e no Iraque e as divulgou no WikiLeaks. Os promotores o acusaram de recrutar indivíduos para “hackear computadores e/ou obter e divulgar ilegalmente informações confidenciais”.

Os Estados Unidos foram buscando a extradição de Assange do Reino Unido, e ele poderia ter enfrentado uma pena potencial de 175 anos de prisão nos EUA se fosse condenado.

Quais são alguns dos despejos mais significativos do Wikileaks?

Vídeo de tiros de helicóptero dos EUA matando civis no Iraque

Em 2010, o WikiLeaks publicou um vídeo tirado de um ataque de helicóptero dos EUA em Bagdá que mostrava, entre outros, o fotógrafo de notícias da Reuters Namir Noor-Eldeen e seu assistente Saeed Chmagh sendo mortos por fogo americano.

Quando uma van chegou para resgatar os feridos, o vídeo mostrou que ela também estava sendo alvejada.

Uma voz pôde ser ouvida na gravação do ataque dizendo: “Acendam todos”.

Ex-analista de inteligência do exército Chelsea Manning mais tarde foi preso por divulgar o vídeo junto com outro material confidencial sobre a guerra.

Documentos relativos às guerras no Iraque e no Afeganistão

O WikiLeaks publicou dezenas de milhares de documentos, muitos dos quais vazados por Manning, relacionados às guerras no Iraque e no Afeganistão.

Os documentos incluíam provas de que dezenas de civis foram mortos pelos EUA em incidentes não relatados e de que as forças iraquianas torturaram prisioneiros. Eles também incluíram detalhes sobre a caça a Osama bin Laden e as preocupações da OTAN sobre o Paquistão e o Irã potencialmente ajudarem o Taleban no Afeganistão.

Na época de seu lançamento em 2010, o Casa Branca de Obama criticou a publicação dos arquivos e disse que eles poderiam colocar em risco a vida de americanos e parceiros dos EUA.

E-mails dos principais democratas

Em 2016, o WikiLeaks divulgou cerca de 20 mil E-mails do Comitê Nacional Democrata, muitos dos quais pareciam mostrar aspereza em relação ao candidato presidencial democrata, senador Bernie Sanders, e favoritismo em relação a Hillary Clinton. Os e-mails vazados levantaram preocupações de que os apoiadores alienados de Sanders não apoiariam Clinton depois que ela ganhasse a indicação.

Então, cerca de um mês antes da eleição, o Wikileaks disse que havia 50.000 e-mails da conta do presidente da campanha de Clinton, John Podesta, e começaram a divulgá-los em lotes. O WikiLeaks disse que divulgaria mais e-mails todos os dias até o dia da eleição.

Os e-mails abordaram uma série de tópicos, incluindo como lidar com a correspondência com o presidente Obama no servidor privado de Hillary Clinton enquanto ela era secretária de Estado e conselhos de Jennifer Granholm, que serviu como governadora de Michigan de 2003 a 2010, sobre como Clinton poderia conseguir “sair da bolha” e interagir com os americanos.

Um e-mail vazado sugeria que a presidente do Comitê Nacional Democrata, Donna Brazile, avisou a campanha de Clinton sobre uma questão antes da prefeitura.

Outro e-mail continha o que seriam transcrições dos três discursos de Clinton em Wall Street ao Goldman Sachs, embora sua campanha tenha se recusado a confirmar sua autenticidade. O principal oponente, Bernie Sanders, atacou-a por causa dos discursos e exigiu que ela divulgasse as transcrições.

É difícil dizer se a divulgação diária dos e-mails de Podesta afetou o resultado da campanha de 2016, porque houve também outras notícias explosivas nesse mesmo mês. No primeiro dia em que o WikiLeaks começou a publicar o seu tesouro de e-mails de Podesta, foi divulgada uma fita “Access Hollywood” do então candidato Donald Trump falando depreciativamente sobre as mulheres com Billy Bush. Poucos dias antes da eleição, o FBI revelou ter encontrado e-mails relacionados ao mandato de Clinton no Departamento de Estado em um laptop pertencente ao ex-marido do assessor Huma Abedin, o ex-deputado nova-iorquino Anthony Weiner.

Em entrevista ao “Linha de frente” cerca de um mês após a eleição, Podesta observou mais tarde que nesses milhares de e-mails não houve “revelações devastadoras”. Mas houve, disse ele, um efeito secundário: “Isso meio que oblitera sua capacidade de ter uma opinião positiva mensagem.” Era o fim da campanha, e “acho que o que as pessoas querem ouvir é sobre o futuro”, disse ele. “Mas estávamos presos em um ciclo em que a cobertura dominante era, novamente, algo ultrajante [Trump] disse ou algo que eles vazaram.”

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button