Notícias

Região russa do Daguestão celebra um dia de luto depois que ataques mataram 20 pessoas, dizem autoridades

MOSCOU (AP) – A região sul do Daguestão, na Rússia, manteve o primeiro de três dias de luto na segunda-feira, após um ataque por militantes islâmicos que, segundo as autoridades, mataram 20 pessoas, a maioria policiais, e atacaram locais de culto cristãos e judeus em ataques em duas cidades.

A violência de domingo na capital regional do Daguestão, Makhachkala, e nas proximidades de Derbent, foi a mais recente atribuída pelas autoridades aos extremistas islâmicos na região predominantemente muçulmana do Norte do Cáucaso. Foi também o mais mortífero na Rússia desde Março, quando homens armados abriram fogo em um show nos subúrbios de Moscou, matando 145 pessoas.

Um afiliado do grupo Estado Islâmico no Afeganistão assumiu a responsabilidade pelo ataque de Março e rapidamente elogiou o ataque no Daguestão, dizendo que foi conduzido por “irmãos no Cáucaso que mostraram que ainda são fortes”.

O Instituto para o Estudo da Guerra, com sede em Washington, argumentou que a filial do grupo Estado Islâmico no Norte do Cáucaso, Vilayat Kavkaz, provavelmente esteve por trás do ataque, descrevendo-o como “complexo e coordenado”.

O governador do Daguestão, Sergei Melikov, culpou os membros das “células adormecidas” islâmicas dirigidas do exterior, mas não deu quaisquer outros detalhes. Ele disse numa declaração em vídeo que os agressores pretendiam “semear o pânico e o medo” e tentaram ligar o ataque à acção militar de Moscovo na Ucrânia – mas também não forneceu provas.

O Presidente Vladimir Putin tentou atribuir a culpa pelo ataque de Março à Ucrânia, novamente sem provas e apesar da reivindicação de responsabilidade por parte da filial do Estado Islâmico. Kyiv negou veementemente qualquer envolvimento.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que Putin recebeu relatórios sobre os ataques de domingo e os esforços para ajudar as vítimas.

O Comitê de Investigação, a principal agência estadual de investigação criminal do país, disse que todos os cinco agressores foram mortos. Das 20 pessoas mortas, pelo menos 15 eram policiais.

As autoridades médicas do Daguestão disseram que pelo menos 46 pessoas ficaram feridas. Destes, pelo menos 13 eram policiais, com quatro policiais hospitalizados em estado grave.

Entre os mortos estava o reverendo Nikolai Kotelnikov, um padre ortodoxo russo de 66 anos de uma igreja em Derbent. Os agressores cortaram sua garganta antes de incendiarem a igreja, segundo Shamil Khadulayev, vice-chefe de um órgão local de supervisão pública. O ataque ocorreu no momento em que os fiéis ortodoxos celebravam o Pentecostes, também conhecido como Domingo da Trindade.

Melikov, o governador do Daguestão, disse no domingo que também entre os mortos estavam um crente ortodoxo russo e 18 muçulmanos.

A sinagoga Kele-Numaz em Derbent também foi incendiada.

Pouco depois dos ataques em Derbent, militantes dispararam contra um posto policial em Makhachkala e atacaram uma Igreja Ortodoxa Russa e uma sinagoga antes de serem mortos por forças especiais.

A imprensa russa disse que os agressores incluíam os dois filhos e um sobrinho de Magomed Omarov, chefe da filial regional do Daguestão do partido pró-Kremlin Rússia Unida. Omarov foi detido pela polícia para interrogatório e o Rússia Unida rapidamente o demitiu das suas fileiras. Melikov disse mais tarde que Omarov havia sido destituído de seu cargo, informaram agências de notícias estatais russas.

No início da década de 2000, o Daguestão assistiu a ataques quase diários contra a polícia e outras autoridades, atribuídos a militantes extremistas. Após o surgimento do grupo Estado Islâmico, muitos residentes da região juntaram-se a ele na Síria e no Iraque.

A violência no Daguestão diminuiu nos últimos anos, mas num sinal de que os sentimentos extremistas ainda prevalecem na região, multidões revoltaram-se no aeroporto lá em outubro, visando um voo vindo de Israel. Mais de 20 pessoas ficaram feridas – nenhuma delas israelita – quando centenas de homens, alguns carregando faixas com slogans anti-semitas, correram para a pista, perseguiram passageiros e atiraram pedras contra a polícia.

A violência no aeroporto desafiou a narrativa do Kremlin de que grupos étnicos e religiosos coexistem em harmonia na Rússia.

Após o ataque de Março à sala de concertos de Moscovo, a principal agência de segurança da Rússia informou que tinha desmantelado o que chamou de “célula terrorista” no sul da Rússia e detido quatro dos seus membros que tinham fornecido armas e dinheiro a supostos agressores em Moscovo.

Harold Chambers, analista político e de segurança especializado no Norte do Cáucaso, observou que a resposta das autoridades ao ataque de domingo “foi significativamente maior do que vimos no passado, mas ainda deficiente, especialmente no que diz respeito ao tempo de resposta”.

“Eles foram definitivamente pegos de surpresa por este ataque”, disse ele. “O que estamos vendo aqui ainda é esta desconexão entre a capacidade antiterrorista russa e o que é a capacidade terrorista dentro da Rússia.”

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button