Notícias

Rotas ilegais do Hajj ceifam centenas de vidas: um grave aviso aos peregrinos

Nova Delhi:

Centenas de pessoas morreram durante a peregrinação do Hajj deste ano devido ao calor extremo em Meca, com temperaturas ultrapassando os 50 graus Celsius. Alarmantes 83% destas vítimas foram aquelas que seguiram rotas ilegais, destacando os riscos perigosos envolvidos na peregrinação.

O governo saudita revelou que muitas das vítimas pagaram quantias exorbitantes a operadores turísticos ilegais, na esperança de contornar os canais oficiais. Em vez de serem transportados confortavelmente em autocarros com ar condicionado e alojados em acomodações seguras e regulamentadas, estes peregrinos viram-se expostos ao calor escaldante do deserto, caminhando quilómetros num calor extremo.

O que são permissões do Hajj

O Hajj é um dos cinco pilares do Islã que todos os muçulmanos com meios devem realizar pelo menos uma vez na vida.

As autorizações de Hajj são atribuídas aos países num sistema de quotas e distribuídas aos indivíduos por sorteio.

Por que os peregrinos seguem rotas ilegais?

Custo: Alguns especialistas dizem que viajar sem autorização é uma alternativa mais barata às autorizações oficiais, cada uma das quais pode custar milhares de dólares.

Conveniência: Outros procuram evitar longos processos de candidatura e listas de espera.

Falta de consciência: Alguns peregrinos podem não estar cientes dos riscos e dos requisitos legais.

Quais são os riscos associados à visita ilegal do Hajj

Danos físicos: Os peregrinos podem enfrentar duras condições desérticas, desidratação e exaustão ao atravessar terrenos traiçoeiros.

Prisão e deportação: Aqueles que forem pegos seguindo rotas ilegais poderão ser detidos, multados e deportados.

Riscos para a saúde: Vacinações e exames médicos não verificados aumentam o risco de contrair e espalhar doenças.

Exploração: Os peregrinos podem ser vítimas de traficantes de seres humanos, fraudes e extorsões.

O que o governo está fazendo

No sábado, o primeiro-ministro egípcio, Mostafa Madbouly, ordenou a retirada de licenças de 16 empresas de turismo e encaminhou os seus gestores ao Ministério Público por peregrinações ilegais a Meca, informou o gabinete egípcio.

Ele disse que o aumento no número de mortes de peregrinos egípcios não registrados resultou de algumas empresas que “organizaram os programas do Hajj usando um visto de visita pessoal, que impede seus titulares de entrar em Meca” através dos canais oficiais.

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button