Notícias

Violência armada é uma crise de saúde pública nos EUA, afirma o cirurgião-geral

Dados provisórios indicam que mais de 48.000 cidadãos dos EUA morreram devido a ferimentos relacionados com armas de fogo em 2022. (Arquivo)

Washington:

Num novo comunicado divulgado na terça-feira, o Cirurgião Geral dos EUA, Dr. Vivek Murthy, disse que a violência armada no país é uma crise urgente de saúde pública que exige o “compromisso coletivo da nação” para acabar com ela, informou a CNN.

Esta é a primeira publicação do Gabinete do Cirurgião Geral que aborda especificamente a violência armada e suas “profundas consequências” para as vítimas, comunidades e saúde mental.

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA afirma que o conselho de um cirurgião geral é geralmente usado para destacar importantes questões de saúde pública.

O aviso divulgado na terça-feira descreve os terríveis efeitos da violência armada nos EUA e fornece informações sobre como as iniciativas de saúde pública podem ser úteis.

Dados provisórios indicam que mais de 48.000 cidadãos dos EUA perderam a vida em consequência de ferimentos relacionados com armas de fogo só em 2022. Homicídios, suicídios e mortes acidentais foram incluídos nesse total. A recomendação afirma que o número de mortes relacionadas com armas de fogo nos EUA tem aumentado e atingirá o pico em 2021, às três décadas, informou a CNN.

De acordo com o parecer, desde então, tem havido um declínio nos assassinatos relacionados com armas de fogo, mas o número de suicídios relacionados com armas de fogo permaneceu relativamente constante. A advertência afirma que, embora os tiroteios em massa ainda sejam incomuns – representam apenas 1 por cento das mortes por armas de fogo – a frequência destes eventos tem aumentado.

O comunicado do Surgeon General sublinhou como as pessoas de cor são “desproporcionalmente impactadas” pela violência armada, informou a CNN.

A recomendação afirma que a violência armada pode ter um impacto negativo na saúde mental, além dos problemas físicos que pode causar.

De acordo com o comunicado, os jovens são especialmente propensos a temer a violência armada, e muitos deles acreditam que a sua escola será palco de tal carnificina. Afirma que, para compreender como reduzir e prevenir a violência armada nos EUA, é necessário financiamento adicional para a investigação sobre armas. Os investimentos devem ser feitos com foco na melhoria da coleta de dados e nas táticas preventivas, informou a CNN.

A diretriz apela aos prestadores de cuidados de saúde e às comunidades para que tomem medidas proativas para apoiar as populações que correm maior risco deste tipo de violência.

“Não existem normas ou regulamentos federais relativos à segurança das armas de fogo produzidas nos EUA”, afirma o comunicado.

Nas últimas semanas, os EUA testemunharam vários incidentes com tiroteios, com pelo menos 21 outros tiroteios em massa registrados pelo Arquivo de Violência com Armas desde sexta-feira passada. De acordo com o relatório da CNN, o Arquivo de Violência Armada considera os tiroteios em massa aqueles em que quatro ou mais pessoas são baleadas, excluindo o atirador.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button