Notícias

Grande vitória para as tribos da Amazônia em relação aos créditos de carbono na Colômbia

Créditos de carbono são comprados por corporações para compensar suas emissões de gases de efeito estufa. (Arquivo)

Bogotá:

O Tribunal Constitucional da Colômbia anulou na quarta-feira um controverso acordo de crédito de carbono na floresta amazônica, que seis tribos locais disseram ter sido assinado sem seu consentimento.

Comunidades indígenas que vivem na área remota de Pira Paraná acusaram a empresa norte-americana Ruby Canyon Environmental e a empresa colombiana Masbosques, que atuou como intermediária, de impor ilegalmente o acordo a elas.

Créditos de carbono são comprados por corporações — ou países sob certas condições — de projetos de preservação florestal ou outros para compensar ou compensar suas emissões de gases de efeito estufa.

Esse dinheiro deve ir para comunidades locais que protegem suas regiões de origem do desmatamento.

Em Pira Paraná, os créditos — também conhecidos como títulos verdes — foram vendidos por cerca de US$ 3,8 milhões para uma empresa colombiana de processamento de dados chamada Latin Checkout.

De acordo com a EcoRegistry, que monitora a negociação de créditos de carbono, a Latin Checkout vendeu os créditos para a companhia aérea norte-americana Delta, que enfrenta um processo judicial em casa por suposta “lavagem verde” ao alegar ser neutra em carbono ao mesmo tempo em que compra compensações de carbono questionáveis.

O acordo, assinado em março de 2021, previa que as comunidades indígenas preservassem uma área de 7.100 quilômetros quadrados (2.741 milhas) — quase o tamanho de Porto Rico.

Mas as tribos disseram que o acordo foi assinado com falsos representantes de suas comunidades.

Eles foram ao tribunal alegando violações de seus direitos à autonomia territorial e ao autogoverno.

Na segunda-feira, o tribunal ordenou que os representantes legítimos das tribos se reunissem e decidissem dentro de seis meses se autorizariam um novo acordo.

Caso não o façam, as autoridades devem “garantir” que o projeto de crédito de carbono “não seja mais realizado no território”, decidiram os juízes.

O conceito por trás dos créditos de carbono sofreu um grande golpe recentemente, pois pesquisas científicas têm mostrado repetidamente que as alegações de redução de emissões são enormemente superestimadas — ou até mesmo inexistentes.

No final de 2023, a AFP caminhou, navegou de barco a motor e sobrevoou parte do território Pira Paraná, uma área tão remota que só é acessível por voos privados de um milhão de dólares ou uma viagem de barco de pelo menos seis dias saindo da cidade mais próxima, Mitu.

Lá, os líderes locais disseram que gostariam de nunca ter ouvido falar do acordo.

Embora tenha trazido uma “bonança” econômica, também levou a conflitos em comunidades não acostumadas a lidar com grandes somas de dinheiro e à perda da autonomia indígena, disseram eles.

O projeto “contamina espiritualmente, fisicamente, destrói tudo… neste território, por dinheiro”, disse o líder indígena Fabio Valencia na época.

Alguns especialistas disseram que não havia ameaça real de desmatamento na área e, portanto, não havia “economia” de emissões a ser feita.

O caso do Tribunal Constitucional foi o primeiro do gênero na Colômbia.

(Com exceção do título, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button