Ciência

Terapia de casal para melhorar o desejo sexual

Uma nova forma de terapia cognitivo-comportamental de casal pode ajudar mulheres diagnosticadas com transtornos de desejo sexual e reduzir o sofrimento emocional associado a eles.

A diminuição do desejo sexual é a queixa sexual mais comum entre as mulheres, afetando de 30% a 40% das mulheres adultas. Além disso, a baixa libido causa sofrimento significativo para 7% a 23% delas. A condição, formalmente chamada de transtorno de interesse/excitação sexual (SAID), é definida por critérios diagnósticos específicos estabelecidos no DSM-5.

Embora o baixo apetite sexual seja altamente prevalente e tenha consequências na saúde mental, no funcionamento sexual e na qualidade do relacionamento entre mulheres e seus parceiros, as opções de tratamento baseadas em evidências têm sido limitadas até agora.

Uma nova intervenção de terapia cognitivo-comportamental de casal (TCCC) foi recentemente testada e padronizada por Sophie Bergeron, professora titular do Departamento de Psicologia da Universidade de Montreal e titular da Cátedra de Pesquisa do Canadá em Relacionamentos Íntimos e Bem-Estar Sexual, em colaboração com Natalie O. Rosen da Universidade Dalhousie e Katrina Bouchard da Universidade da Colúmbia Britânica.

Eles conduziram um estudo de viabilidade que descobriu que a intervenção CBCT levou a melhorias, variando de moderadas a significativas, nos principais sintomas associados ao SAID, ou seja, baixo desejo sexual diádico e sofrimento sexual. Um ensaio clínico randomizado começará em janeiro de 2025 para validar os resultados.

Um problema para ambos os parceiros

A intervenção que a Dra. Bergeron e seus colegas desenvolveram aborda diretamente a natureza interpessoal do sofrimento associado à redução do desejo sexual.

“Os transtornos de desejo são fortemente influenciados por fatores interpessoais. Eles são menos sobre questões biomédicas e têm mais a ver com a maneira como os casais interagem”, ela explicou. “Isso significa que precisamos reconceitualizar a baixa libido como uma questão baseada no casal, não individual.”

A intervenção foca na comunicação, aceitação, abertura e vulnerabilidade entre parceiros. Ela começa estabelecendo um senso de intimidade dentro do casal, já que este é um fator de proteção para o desejo sexual. “Mulheres relatam interesse sexual melhorado quando se sentem próximas de seus parceiros, sabendo que podem compartilhar seus pensamentos e serem recebidas com empatia e compreensão”, disse o Dr. Bergeron, que também dirige o Centro de Pesquisa Interdisciplinar sobre Problemas de Relacionamento Íntimo e Abuso Sexual.

A intervenção CBCT encoraja os casais a discutir a sexualidade abertamente, o que geralmente é um dos tópicos mais difíceis para os casais abordarem, de acordo com o pesquisador. Os casais aprendem a expressar suas necessidades, preferências e receios sem medo de ferir os sentimentos da outra pessoa.

O tratamento envolve principalmente discussões guiadas com um terapeuta, mas também inclui exercícios a serem realizados em casa, como sessões de foco sensorial, que visam reintroduzir o toque de uma forma não exigente.

A desestigmatização leva ao alívio

Uma parte importante da intervenção é desmistificar mitos sexuais, particularmente aqueles que geram culpa e sentimento de culpa em mulheres com baixo apetite sexual.

“Trabalhamos para desacoplar a mulher do transtorno, enquanto normalizamos e desdramatizamos sua experiência.” compartilhou o Dr. Bergeron. “E, acima de tudo, trazemos o foco de volta para o prazer e a qualidade das relações sexuais, em vez da frequência.”

Na opinião dela, esse componente psicoeducacional parece ajudar a aliviar a carga emocional — caracterizada pela vergonha e frustração — que frequentemente acompanha o SAID.

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button